terça-feira, 12 de abril de 2011

Especialista minimiza papel das redes sociais nos protestos na Líbia

Pesquisador da UFRJ afirma que reais causas derivam da pobreza no país

Gabrielle Fernandes
Alto desemprego, elevado preço dos alimentos e importação da maior parte dos bens necessários ao abastecimento. Esses foram os principais problemas que levaram os líbios do Leste do país a iniciar uma onda de protestos em fevereiro que se espalhou por toda a Líbia, acompanhando os movimentos revoltosos no Egito e na Tunísia, que lutam por liberdade desde o ano passado. As cidades de Benghazi, segunda maior do país e epicentro dos protestos, Tobruk e Derna, região onde a popularidade do ditador Muammar Kadhafi é mais baixa, foram tomadas por oposicionistas. Mas cidades mais próximas à capital Trípoli, como Minsratah e Zawiya, também ficaram sob controle dos rebeldes.
No governo desde 1969, Kadhafi disse que só deixará o comando do país morto. Os protestos contra o regime e a violenta repressão às manifestações provocou milhares de mortes e levou a situação a uma guerra civil.
Leonardo Valente, professor de Relações Internacionais (RI) da UFRJ, afirmou que essas revoltas, sem dúvida, acontecem por contágio em um movimento em que os meios de comunicação contribuem tecnicamente para isso. “Mas as semelhanças são somente essas. Cada país tem uma dinâmica política interna própria e sua maneira de lidar com o que está acontecendo”, explica ele.
As redes sociais e instrumentos de comunicação, por meio dos quais os manifestantes marcaram pontos de confronto, contribuíram muito para a explosão, mas Valente acredita que é exagero dizer que essas são revoluções provocadas pelas redes sociais. “Não são elas as causadoras desses processos, apenas contribuem”, complementa o professor.
O violento e repressivo ditador, no poder há quase 42 anos, serviu para tirar o país do isolamento diplomático, na última década. Depois de apoiar grupos de terroristas em 1980 e de assumir a responsabilidade pelo ataque ao voo da PanAm, que explodiu na Escócia, Kadhafi pagou indenizações aos familiares das vítimas e foi tirado da relação de países com ligações terroristas. Em 2008, a ONU aceitou a participação da Líbia no Conselho de Segurança e, em 2010, foi eleita para o Conselho de Direitos Humanos.
O fim desse isolamento diplomático impulsionou a economia do país, atraindo investidores estrangeiros. Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), a economia da Líbia cresceu 10,6% ano passado. Mas essa riqueza não está chegando à população. Cerca de um terço dos líbios vive na pobreza. Esse é o histórico para a explosão da atual guerra civil.
Diversos países, liderados pela OTAN, começaram a protestar e a exigir a saída imediata de Kadhafi. Em meados de março, o Conselho de Segurança da ONU exigiu um “cessar-fogo” e autorizou o uso de forças militares contra o regime líbio. O professor Leonardo Valente disse ainda que é improvável que a revolta árabe se torne uma guerra mundial.
Segundo Valente, Kadhafi está perdendo as forças e a Itália é o país mais propício a dar asilo político ao ditador. “Qualquer país tem condição de asilar Kadhafi. Mas, para alguns, não seria interessante isso acontecer. No caso do Brasil, por exemplo, não seria. E creio que o governo brasileiro compartilha desse mesmo pensamento. Também creio ser pouco provável que o Brasil seja acionado neste sentido. Se for concedido asilo a Kadhafi, isso deve ser feito por algum país africano, da Liga Árabe, ou até mesmo a Itália, que já cogitou esta hipótese“, explica ele.
Os processos de revolução nos países árabes, até mesmo no Egito, ainda são muito recentes para afirmar que resultarão em futuras democracias. “Talvez o país mais perto disso seja o Egito, mas, até neste caso, é cedo para afirmar categoricamente”, opina Leonardo, já que entre derrubar Kadhafi e implantar um governo democrático há uma grande distância.

23 comentários:

  1. Da hora teu blog
    parabéns.
    Seguindo certo,me segue ai tbm.
    http://hiphopactivistface.blogspot.com/
    abçs
    @Ativista2

    ResponderExcluir
  2. seu blog é bem interessante
    muito informativo
    é sempre bom estar antenado com o mundo

    ResponderExcluir
  3. Caramba, ótimo blog.
    E esses protestos na Líbia tão demais né?
    Bom, ótimo blog.
    Abraços,
    Depois dê um olhada, comente e siga meu blog:
    www.cotidianoduplex.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. concordo com que o professor falou.

    ResponderExcluir
  5. Protestos, protestos... rsrsrs
    Não tem nada a ver as redes sociais... eles marcariam de outra forma se não tivesse elas...
    Bom post... nos traz informação
    Até!!!

    http://dedeaninha.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Dificil para nós, do outro lado do mundo, afirmar algo sobre isso. Eles sabem melhor do que ninguem a condição que estão passando. Nos, quando pensamos no oriente e arredores, nos vem em mente seus protestos e confrontos sem fim... mas, nesse caso, acho que estão bem certos, até.

    Só não sei as mudanças que isso pode trazer. Como foi bem dito no texto, é cedo afirmar o que isso vai acarretar. Uma coisa é derrubar os lideres politicos atuais, outra é implantar a democracia.

    Em todo o caso, torço pelo melhor possivel para eles.

    ResponderExcluir
  7. ótima matéria, escrevi sobre isso no meu blog semana passada. Acho que esta situação tem que passar, mas temo pelo tempo que esta demorando. A mídia já esta se esquecendo da líbia, e a pressão está diminuindo... Aquele povo merece paz, estão lutando por ela. Impossível não se arrepiar com o "dia da vitória" no Egito e com os protestos pacíficos na Líbia, ELES DERAM SHOW ! Milhares de 'cabeças' reunidas a favor da democracia... FOI LINDO .

    Parabéns a esta equipe de Jornalismo. Não deixem este assunto sair de pauta . Aquele povo merece a LIBERDADE.

    se quiser passa lá : www.piscesgenio.blogspot.com
    seguindo vocês ...

    ResponderExcluir
  8. Muito complicado afirmar que as redes socias tiveram ou não esse papel. claro que o ápice foi a probreza. mas se baseando um exemplo da américa latina ( cuba) vemos que redes sociais são meios de denúncia (também agora silenciados), da real sociedade do país.

    ResponderExcluir
  9. E mais, porque certos paises como o Brasil, estavam cogitando leis sobre redes sociais se não são tão importantes assim? cuidado com a ditadura das mídias Brasil.

    ResponderExcluir
  10. Bom blog o seu,muito informativo ;)
    Parabéns.

    controversiasporana.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Professor está correto ao identificar que é cedo para concluir que os processos terminaram em democracias ou mesmo mais liberdade. Não é fora de lugar lembrar que a revolução iraniana se deu assim num primeiro momento uma revolução que prometia democracia apoiada por forças socialistas e liberais, mas os islamistas logo se mostraram o único grupo suficientemente organizado para impor uma agenda de poder.

    No resto as redes sociais agiram para difundir para fora as imagens e contornar a censura. Não dá para diante dos indices de acesso a internet crer que os movimento galvanizaram apoio on line. E mais inocente ainda é crer que são movimentos espontâneos.

    ResponderExcluir
  12. FINALMENTE USANDO AS REDES SOCIAIS PRA ALGO BOM!

    ResponderExcluir
  13. http://www.novaquahog.com/2011/04/jogue-catapulta-extrema.html
    !
    !
    UM DESAFIO PRA VOCÊ!

    ResponderExcluir
  14. As redes sociais expandem qualquer acontecimento, pode ser bom, pela velocidade em que transmite informações, mas é um telefone sem fio...quem vai saber como isso vai terminar?

    Sobre seu comentário no meu blog, poxa vida! É sempre bom enxergar o aniversário com o melhor dia rs, pense q é um dia dedicado a vc, seu dia de imunidade! =D pensamento positivo!!

    ResponderExcluir
  15. Protestos e mais protestos... Ah, esses países parecem precisar guerrear...
    Bom, gostei muitíssimo da matéria. E do blog em si também, claro.
    Meu maior sonho é ser jornalista e acho que estou no caminho certo, pelo o que li por aqui.
    Vou continuar lendo sempre!

    Se quiserem comentar o que acham do meu blog, podem dar uma passadinha lá.
    O endereço é esse: http://iampurplepineapple.blogspot.com/

    Até mais!

    ResponderExcluir
  16. As redes sociais tiveram um papel preponderante na divulgação das mazelas que estavam ocorrendo lá. Mas foi uma ferramenta, e não a causa em si. O descontentamento da população com esses regimes ditatoriais estão eclodindo nessas regiões, e por mais que os ditadores queiram abafar, não conseguirão, pois estamos na era digital, um clique e o mundo está bem informado.

    Atualizei meu site Duo, passa lá...

    ResponderExcluir
  17. Muito bom o blog, gostei.
    http://thesealternativethoughts.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. Parabéns!

    Criatividade é tudo

    Passa no Palavras Certas
    http://certas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. muito bom ^^


    foiclicado.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. legal seu blog! parabéns!

    http://woopsbloops.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  21. As redes sociais nunca podem ter seu papel minimizado nas revoluções árabes, mas com certeza também não podemos considerá-las a única fonte de comunicação entre os manifestante - ainda mais em países em que a internet não atinge largamente a população.

    ResponderExcluir